+

01/04/2013

Governo estabelece cotas de exportações automotivas para o México


Governo estabelece cotas de exportações automotivas para o México

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior estabeleceu as cotas de exportação de veículos brasileiros para o México, dentro do Acordo de Complementação Econômica com o país.

Entre os dias 19 de março de 2013 e 18 de março de 2014 só vão poder ser exportados com taxas baixas, previstas no acordo, US$ 1,56 bilhão de carros de passeio, comerciais leves, caminhões e ônibus para o México. As importações de veículos mexicanos para o Brasil também foram limitadas.

O sistema de cotas foi estabelecido no ano passado depois de o Brasil ter ameaçado romper o Acordo de Complementação Econômica com o México, que foi assinado em 2003.

Na ocasião, foi acertado que o Brasil poderia exportar com menores taxas carros de menor valor para o México e importaria veículos com maior cilindrada dos mexicanos. O Brasil ganharia na demanda maior de veículos mais baratos. Mas isso não deu certo. O aumento das condições do brasileiro de comprar veículos acima dos tradicionais mil litros fez com que a procura por veículos mais potentes aumentasse, desequilibrando as relações entre os dois países na balança.

Só para se ter uma ideia, entre 2010 e 2011, as importações de veículos mexicanos pelo acordo subiram 40% e provocaram um déficit para o lado brasileiro de US$ 1,7 bilhão.

A cota de US$ 1,57 bilhão, publicada nesta quarta-feira, dia 13 de março no Diário Oficial da União, contempla 8 empresas com planta no Brasil que exportaram para o México nos últimos três anos e cria uma reserva para novas empresas interessadas em exportar pelo acordo.

As oito empresas vão contar com 60% desta cota. Depois, 20% serão distribuídos entre as empresas que exportaram no último ano e outros 20% serão uma espécie de reserva técnica para o governo brasileiro distribuir entre novas e atuais exportadoras.

O País suspeitava que o México não cumpria o percentual e usava mais peças dos Estados Unidos e da Ásia.

A inclusão de ônibus e caminhões nas negociações para o México contribuiu para que o Brasil enviasse veículos de maior valor para o país latino.

Desde a ameaça do rompimento pelo Brasil do Acordo de Complementação Econômica foram estabelecidas três cotas: US$ 1,45 bi no ano passado, US$ 1,56 bi agora e US$ 1,64 bi na próxima cota.

Acima desta cota, as empresas podem exportar para o México, mas sem contar com vantagens de tributos e nas taxas de juros.

Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes